segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Apenas mais uns versos


Estes versos enferrujados
Batem e rebatem em espasmos
Guardam a angústia
Deixada para trás
Alegria de quem canta

É esquecer que já não fala

sábado, 27 de fevereiro de 2016

 
 Olá pessoal. Como de abertura do blog aqui está o primeiro poema escrito exclusivamente para ele:



                              

   Versos de um lunático

Me pego pensando na lua
Quão redonda ela há de ser?
Quão plana será sua superfície?
Nossa espécie já mesmo a alcançou?
São questões que me rondam pelo dia
Não podem ser respondidas por mim mesmo
Mas o luar é tão lindo que por si mesmo nos responde
A lua foi feita para a noite
E a noite para nós
Aproveitaremos nossos dias sobre a terra
Talvez deslumbrando o céu com olhar severo 
Procurando em outros mundos um mundo melhor que nossa casa
Procurando saudades de nossa casa
Saudades de algo que nunca existiu
Apenas na nossa cabeça
Eis que surge a nossa alegria.


                                      SOUZA, Anderson